Banner
 

29/03/2013

É possível converter luz do sol em energia elétrica

Por Lais Ferreira



Basta instalar um sistema de energia solar fotovoltaico. Na Bahia, a Donauer Solar do Brasil, localizada em Lauro de Freitas, oferece esse serviço
 
Bastante difundida na Europa, China, África e Japão, a energia fotovoltaica, gerada através da conversão de luz solar em eletricidade, tende a ser mais comum no Brasil a partir de 2013. Em abril deste ano, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou um projeto para a criação do Sistema de Compensação de Energia que permite a qualquer pessoa, através de geradores solares, produzir sua própria energia em casa e ganhar créditos na conta de luz com a energia não usada.
 
A resolução da Aneel inclui a microgeração, com até 100 KW de potência, e a minigeração, de 100 KW a 1 MW. Para aderir à medida, o consumidor terá que instalar um sistema de energia solar por conta própria. Na Bahia, uma das empresas que oferecem painéis de energia solar fotovoltaicos e serviço de instalação dos mesmos é a Donauer Solar do Brasil, localizada em Lauro de Freitas.
 
Segundo o diretor da empresa, Marco Nowak, para realizar a conversão, é necessário tomar alguns cuidados. “O indicado é que se contrate um profissional com know-how específico de instalações solares. Usar componentes solares de qualidade testada e certificada, além de uma estrutura de alumínio específica para fixar os módulos“, alerta Nowak.
 
No caso do painel fotovoltaico, o investimento depende da região e das condições técnicas do local. “Uma casa de três pessoas na Bahia, com gastos em torno de R$ 100 por mês (167 kWh da Coelba) vai precisar de um sistema solar de aproximadamente 1-1,5 kW. Os módulos solares instalados vão cobrir 7-11 m² e o sistema completo custará de R$ 13 a 20 mil“, exemplifica Nowak.
 
Apesar do custo elevado, a tendência é que com a popularização do sistema haja uma diminui­ção no preço, tornando a conversão mais viável. Já a amortização do investimento ocorre entre 7 e 10 anos, dependendo da qualidade do equipamento adquirido.
 
De acordo com o professor de engenharia elétrica da Estácio FIB, Roberto Musser, no caso de condomínios, o sistema pode ser implantado em conjunto com vizinhos. “A mesma fonte pode atender a vários apartamentos”, afirma. Vale ressaltar que isso só pode ser realizado em condomínios, do contrário, é ilegal.
Com o uso de energia fotovoltaica, a redução no valor da conta de energia pode chegar até 100%. Além disso, o novo sistema também traz benefícios ambientais, por ser uma fonte de energia inesgotável e limpa, sem emissão de gás carbônico.
 
Para Roberto Musser, “Existe um movimento de integração de fontes energéticas alternativas. O governo vem apresentando várias soluções que viabilizam e incentivam as distribuidoras e a cadeia produtiva da indústria da energia no sentido de buscar formas viáveis de mitigar os efeitos ao meio ambiente”, declara o professor.
O sistema produz energia praticamente sem fim. Os fabricantes dão a garantia  que após 25 anos os módulos solares ainda geram 80% de energia de um módulo solar novo. E continuarão produ­zindo mesmo depois de 50 anos.
 
A manutenção dos painéis deve ser feita anualmente, para a verificação das conexões, do funcionamento do inversor e do sistema completo. Já a limpeza dos módulos para retirada de poeira e salitre é recomendada com mais frequência.


 
 

Tags:   

Comentários

Cadê o Síndico é uma realização da Editora União Salvador LTDA.

Travessa Francisco Gonçalves, 01, Edf. Reitor Miguel Calmon, Sl. 303
Comércio - CEP:40.015-090 71 3242-1084 / 3491-0710