Banner
 

28/03/2013

Cuidados com a desinsetização

Por Danilo Roriz

Contratação deve ser criteriosa para garantir a segurança e eficiência do serviço
 
"Extermínio total, efeito duradouro, produto antialérgico”, estes e ou­tros chamados fazem parte da campanha de algumas empresas de controle de pragas na tentativa de angariar a clientela dos condomínios. Nenhum dos termos acima é verdadeiro quando falamos em controlar insetos e ratos na a­tualidade, pois não existe extermínio e sim controle. Portanto, o síndico tem de estar a­tento às condições de e­xecução e garantia dos serviços e só contratar uma empresa após serem dirimidas todas as dúvidas com o res­ponsável técnico da prestadora que deve ter formação universitária e experiência na área.
 
Além do cuidado com os tratamentos a serem executados, o condomínio só deve contratar uma controladora legalizada. A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), em sua Resolução RDC 52 de 2009, determina que uma empresa especializada deve possuir Licença Ambiental para funcionar. 
 
Na Bahia, a esmagadora maioria das empresas não é legalizada e, pessoas não qualificadas ou até funcionários do condomínio realizam a função como “bico”, utilizando produtos de uso vete­rinário, agrotóxicos ou clandestinos, como o letal “Chumbinho”, cobrando preços abaixo de mercado como arma de sedução a síndicos e admi­nistradores. Além dos riscos de envenenamento a pessoas e animais, a garantia não pode ser reivindicada nestes casos e em situações de infortúnios, o contratante pode ser civilmente res­ponsabilizado pela má contratação, uma vez que, a Re­solução RDC 52, re­gulamenta também a prestação em condomínios residenciais e comerciais.
 
A modernidade e a tecnologia também che­garam a este segmento, pois os defensivos mais agressivos foram abolidos e outros mais eficientes e de baixo impacto a natureza foram sintetizados. Porém, como todos os inseticidas libe­rados pela ANVISA são biodegradáveis, é necessário que sejam realizados monitoramentos rotineiros nas áreas comuns, como forma de manter o ambiente controlado. Portanto, na hora de contratar o serviço, o sindico deve estar atento à legalidade da empresa, descartando sempre os orçamentos muito abaixo das cotações, solicitando sempre cópia das Licenças Sanitária e Ambiental, além do registro da empresa e do Responsável Técnico no Conselho Profissional de Classe.

________________________________________________________________________________________
Danilo Roriz (médico veterinário CRMV BA 2262) - Especializado em controle de pragas urbanas. responsável técnico e consultor de empresas de controle de pragas urbanas, atuou no Centro de Controle de Zoonoses de Salvador por oito anos, onde coordenou o Programa de Controle de Roedores. Tel. (71) 9127-9516. danilofreireroriz@yahoo.com.br



 
 

Tags:   

Comentários

Cadê o Síndico é uma realização da Editora União Salvador LTDA.

Travessa Francisco Gonçalves, 01, Edf. Reitor Miguel Calmon, Sl. 303
Comércio - CEP:40.015-090 71 3242-1084 / 3491-0710