fechar× Entre em contato 71 3242-1084 / 3491-0710

Os impactos da Reforma Trabalhista nos condomínios

SÍNDICOS DEVEM TER ATENÇÃO AO CONTRATAR TRABALHADOR INTERMITENTE

No dia 11 de novembro de 2017, entraram em vigor as disposições da Lei 13.467/17, alcunhada genericamente de Reforma Trabalhista. Houve alteração de mais de 100 dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), conjunto de normas que rege as relações de trabalho no país. A temática foi de atualização, visto que o texto original daquele dispositivo foi editado em 1943 e, ainda, de flexibilização, o que gerou diversas críticas de centrais sindicais, magistratura trabalhista e ministério público do trabalho. Como uma média de 70% dos gastos dos condomínios é por pagamentos de pessoal (porteiros, zeladores, jardineiros, etc), é importante entender as alterações da lei. 

De acordo com o advogado Breno Novelli, sócio e coordenador dos núcleos trabalhista e contencioso cível do Santos & Novelli Advocacia e Consultoria, no segmento condominial, destacam-se os seguintes tópicos: Demissão negociada - modalidade na qual as partes poderão, mediante comum acordo, estabelecer um rompimento de vínculo menos custoso para o empregador, entretanto, ainda vantajoso para o funcionário que não mais queira permanecer em seu emprego (50% do aviso prévio, 20% da multa do FGTS, saque de 80% dos valores depositados na conta do FGTS). Parcelamento das férias em três períodos - desde que um deles não seja inferior a 15 dias. Desnecessidade da imposição de assistência sindical em rescisões - que poderão ser realizadas na sede do empregador, apenas com a presença de um representante do empregado e outro do tomador. Pagamento de custas e honorários advocatícios de sucumbência, em caso de perda da ação.

Deve-se citar, que a Lei 13.467/17 já sofreu alterações pela Medida Provisória de nº 808/2017, publicada no dia 14 de novembro. “Estabeleceu, dentre outros: prazo de dezoito meses para migração de contrato por prazo indeterminado para intermitente; necessidade de negociação coletiva para estabelecimento de jornada 12x36, com exceção dos estabelecimentos de saúde; afastamento de gestantes de postos de trabalho insalubres, permitindo sua atuação quando, voluntariamente, apresentar atestado médico e em locais com grau mínimo ou médio; por fim, alterou a parametrização de indenizações por dano moral para o teto do INSS e não mais o salário do trabalhador”, citou o advogado Breno.

Trabalhador Intermitente em condomínios

Chama atenção a modalidade de contrato intermitente em condomínios, em que o funcionário recebe remuneração pelo período trabalhado, podendo haver períodos sem efetiva prestação de serviços.

“Recentemente, foi amplamente divulgado nos meios de comunicação, o anúncio feito por um grupo empresarial para contratação de trabalhadores intermitentes, tendo sido proposto valor hora de R$ 4,45, para trabalhos aos sábados e domingos. Diante deste fato fica a indagação: será que podemos considerar trabalho intermitente aquele em que o empregado, de forma contínua, se obriga a prestar serviços ao empregador em determinados dias da semana?”, questiona o advogado Wadih Habib, sócio da Habib Advocacia, Coordenador e Professor da Pós Graduação em Direito e Processo do Trabalho do DomPetrum e Faculdade Dom Pedro II. 

“O CONDOMÍNIO NA HORA DE CONTRATAR TRABALHADOR NA MODALIDADE 
INTERMITENTE DEVERÁ OBSERVAR OS REQUISITOS DE LEI”

Wadih Habib

Advogado

Para Wadih Habib, as características legais para a existência do contrato de trabalho intermitente são: alternância entre período de atividade e inatividade, ou seja, o trabalhador será convidado a prestar serviço em determinado lapso temporal, ficando assegurado ao empregado o direito de recusar o convite formulado; havendo aceitação, o trabalho será prestado pelo tempo que foi estabelecido no convite; findo o período pactuado o empregador pagará imediatamente ao empregado os valores alusivos aos dias ou horas trabalhadas, além do 13º salário e férias com 1/3, proporcional ao tempo trabalhado, efetuará o depósito do fundo de garantia e efetivará o recolhimento da contribuição previdenciária. 

Pelo que se vê das características mencionadas, não se pode considerar como trabalho intermitente aquele em que o empregado se obriga a prestar serviços de modo contínuo em determinados dias da semana, sem possibilidade de recusa. “Na verdade, este modelo de contrato seria a tempo parcial. O condomínio na hora de contratar trabalhador na modalidade intermitente deverá observar os requisitos de lei e, se não houver a possibilidade de alternância entre período de atividade e inatividade, deverá optar pelo contrato a tempo parcial, se for o caso”, alerta Wadih.

Jornada 12h por 36h 

A CLT antes da lei 13.467/17 (Reforma Trabalhista) não previa a jornada 12h por 36h. A jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho, através da súmula 444, sustentava a jornada de “12h/36h” em caráter excepcional, assegurando a remuneração em dobro dos feriados trabalhados.  

“Com a reforma trabalhista, os trabalhadores, a exemplo de porteiros, que fazem a jornada 12h/36h, não terão mais o direito ao recebimento do: descanso semanal remunerado; descanso de feriados; e serão considerados compensados os feriados e prorrogação do adicional noturno. Dessa forma, de acordo com o texto, não há previsão de pagamento em dobro para esses funcionários que trabalham em regime de “12h por 36h”, nos feriados”, informa a advogada Kátia Comarella.

Com a MP 808/2017, foi alterado o art. 59-A da Reforma Trabalhista, da seguinte maneira: é facultado às partes, por meio de convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho, estabelecer horário de trabalho de doze horas seguidas por trinta e seis horas ininterruptas de descanso, observados ou indenizados os intervalos para repouso e alimentação. “Dessa forma, ficou estabelecida em lei, mas sob a supervisão sindical ou acordo coletivo”, conta Katia.

Intervalos  intrajornadas 

Na legislação anterior a CLT previa que o trabalhador que cumpre jornada acima de seis horas diárias tem direito no mínimo uma hora e no máximo duas horas de intervalo para repouso ou alimentação. “A não concessão ou a concessão parcial deste intervalo, acarretaria a responsabilidade do empregador de pagar o equivalente a uma hora de trabalho acrescidas de no mínimo 50% deste valor ou de acordo com a norma coletiva pertencente a categoria do trabalhador”, esclarece Kátia Comarella. 

Com a alteração da reforma trabalhista, o intervalo dentro da jornada de trabalho poderá ser negociado e reduzido para no mínimo 30 minutos. Além disso, se o empregador não conceder o intervalo mínimo para almoço ou concedê-lo parcialmente, a indenização será de 50% do valor da hora normal de trabalho, entretanto, apenas sobre o tempo não concedido, em vez de todo o tempo de intervalo devido, como era previsto antes.
 
“Entendo que a reforma trouxe alterações no sentido de prevalecer as negociações entre trabalhadores e as empresas, em detrimento da legislação. Portanto, os acordos pactuados pelas categorias terão, por consequência, peso legal, o que poderá ser prejudicial ao trabalhador, considerando sua hipossuficiência na relação de trabalho. Apesar de muitos considerarem a reforma inconstitucional, porque reduz alguns direitos já amparados pela Constituição Federal e pela CLT, é importante esclarecer que determinados direitos dos trabalhadores serão preservados, pois são direitos constitucionais, como o recebimento do FGTS; os 30 (trinta) dias de férias; o descanso semanal remunerado e o 13º salário”, conclui Kátia Comarella. 

“É NECESSÁRIO, SOBRETUDO NESTA FASE DE TRANSIÇÃO, UM MAIOR E MAIS PRÓXIMO
CONTATO DE SÍNDICOS, ADMINISTRADORES E GESTORES COM SEU CORPO JURÍDICO”

Breno Novelli

Advogado

O momento, apesar da entrada em vigor da nova legislação, é de grande insegurança para todos os que lidam na seara trabalhista. “Insta salientar que os juízes não estão obrigados a seguir os enunciados elaborados, porém, há uma tendência de que a maior parte do judiciário trabalhista os obedeça. É necessário, sobretudo nesta fase de transição, um maior e mais próximo contato de síndicos, administradores e gestores com seu corpo jurídico, a fim de evitar a criação de passivo trabalhista para todos os condôminos”, finaliza Breno.


 
  • 1
Exibindo 1 de 1

Carregando...